terça-feira, 27 de dezembro de 2011

A melhora da morte

Quem me conhece sabe que eu sou pouco, ou nada, religiosa. Entretanto, em alguns momentos da vida eu me aproprio de certos conceitos de uma ou outra religião para conseguir me fixar no mundo e acreditar em algo para que essa existência faça sentido.

Um desses conceitos é o que o espiritismo chama de “melhora da morte”. Segundo eles, a melhora da morte acontece quando uma alma precisa desencarnar e os familiares a estão “prendendo” a terra através de uma energia muito forte. Essa energia pode ser o medo, a aflição, o sentimento de abandono, a saudade, enfim, tudo aquilo que sentimos quando estamos prestes a perder um ente querido.

Para que a alma possa se desligar, os espíritos responsáveis por esse processo “injetam” uma melhora no paciente. De uma hora para outra a pessoa tende a ter uma melhora súbita e isso anima a família, que relaxa e passa a transmitir energias positivas. Um dia depois a pessoa desencarna.

Já havia lido bastante a respeito quando vi essa situação ocorrer pela primeira vez. Uma amiga minha estava com o pai bastante doente no hospital há alguns dias. O clima era pesado e ela estava muito agarrada ao fio de vida que ele ainda tinha. Em uma manhã ela chegou bastante animada ao trabalho e nos informou que o pai havia melhorado. Ela trabalhou muito feliz aquele dia e tinha muitas esperanças. No dia seguinte ele veio a falecer. 

E hoje vi mais uma vez o mesmo cenário. Meu vizinho está doente há mais de um mês. Há três dias ele foi considerado terminal pelos médicos e, desde então, a família está reunida aguardando a morte como um fato consumado, entretanto concentrada em energias fortes como rancor, arrependimento e saudade. Ontem todos dispersaram, pois meu visinho apresentou uma melhora considerável. Hoje pela manhã ele veio a falecer. 

Dentre todas as religiões, o espiritismo as vezes é a que me parece mais coerente por explicar esse tipo de situação. Não sei se acredito em todos os outros conceitos que são pregados por ela, mas são contextos como esses que me fazem ver que, de certa forma, temos um destino em nossa existência.

7 comentários:

  1. Ótimo texto, Gabi. Também não sigo nenhuma religião específica, mas um dos fatores que explica a atração de intelectuais ao espiritismo é justamente a tentativa de dar uma explicação lógica aos fenômenos tidos como sobrenaturais. Tanto que a religião/filosofia/corrente de pensamento/tentativa de física espírita exige grande estudo para ser plenamente compreendida.

    ResponderExcluir
  2. Não há dúvidas disso. A única coisa de fato acredito é que é necessário acreditar em algo para continuar vivo... mesmo que esse algo só exista na sua própria cabeça!

    ResponderExcluir
  3. Hoje acredito fielmente nesse conceito,meu marido entrou em estado terminal devido um cancer,a medica chamou toda a familia e falou q ela nao tinha mais o q fazer,por ele ser uma pessoa mto amada,ninguem queria q ele partisse,entao 3 dias depois ele ficou otimo,saiu para comer pizza,tocou violao,fez um monte de coisa,parecia um milagre,isso durou 4 dias,entao ele piorou,ficou sedado e faleceu,hje eu entendo q nos nao estavamos deixando ele morrer,estavamos segurando seu espirito,pois ficavamos 24h grudado nele,com medo,chorando,orando,entao ele melhorou para nos deixar mais tranquilos,para tirar nossa atençao,pois ficamos felizes e paramos de temer o pior,entao foi q ele conseguiu se liberar dos nossos sentimentos e morrer.

    ResponderExcluir
  4. Hoje acredito fielmente nesse conceito,meu marido entrou em estado terminal devido um cancer,a medica chamou toda a familia e falou q ela nao tinha mais o q fazer,por ele ser uma pessoa mto amada,ninguem queria q ele partisse,entao 3 dias depois ele ficou otimo,saiu para comer pizza,tocou violao,fez um monte de coisa,parecia um milagre,isso durou 4 dias,entao ele piorou,ficou sedado e faleceu,hje eu entendo q nos nao estavamos deixando ele morrer,estavamos segurando seu espirito,pois ficavamos 24h grudado nele,com medo,chorando,orando,entao ele melhorou para nos deixar mais tranquilos,para tirar nossa atençao,pois ficamos felizes e paramos de temer o pior,entao foi q ele conseguiu se liberar dos nossos sentimentos e morrer.

    ResponderExcluir
  5. As vezes a vida nos impõe esse tipo de desafio. Como disse no post, não sou espírita, mas conceitos como esse nos fazem ver as situações de uma outra maneira, analisando de um ângulo onde a nossa dor faça um pouco mais de sentido.
    Meus sentimentos por sua perda.
    Um abraço, Gaby

    ResponderExcluir
  6. Oi Gaby,
    Um tio em fase terminal veio passar uns dias aqui em casa, enquanto os filhos viajaram nas festas de final de ano. Ontem a noite ele estava lucido, enérgico, ele comentou até que não estava precisando dos aparelhos para respirar. Hoje a tarde almoçou tranquilamente e deitou-se para dormir. Minha mãe foi dar uma olhada e ele estava agonizando. Faleceu as 14h00 de hoje. Da última vez em que esteve no hospital comentou que queria vir pra cá, na casa da irmã, passar uns dias. Acho sinceramente que ele escolheu o lugar para fazer sua transição, talvez longe daqueles que ainda o prendiam aqui nesse planeta. Enfim, parabéns pelo post e pelo blog.

    ResponderExcluir
  7. Olá Danilo
    Realmente acredito que seu tio escolheu de fato onde ele se sentiria mais "em casa" para fazer a passagem. Que bom que ele ainda teve esse tempo e conseguiu seguir a sua vontade.
    Um grande abraço e que o tempo se encarregue de fazer com que a saudade que você sente agora passe a apenas existir ao invés de doer. Já passei por essa perda e, acredite em mim, é assim que acontece.
    Muito obrigada pela visita... que você sempre continue aqui no blog.
    Gaby

    ResponderExcluir

Seja um personagem dessa história, dê o seu pitaco. No final do comentário tem um espaço para inscrição... clica lá para acompanhar a conversa, pois eu sempre respondo quem aparece por aqui. Muito obrigada pela participação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...